Jornal Correio de Notícias

Entretenimento



Capital de giro: o que é e como funciona

 

Campanha de Mães e Namorados do Canoas Shopping sorteia viagens para o Chile, Peru e Cruzeiros pela costa brasileira.

Dentro do objetivo de fortalecer ainda mais o Dia das Mães e o Dia dos Namorados, de 27 de abril a 12 de junho, o Canoas Shopping realiza a promoção Amor na Bagagem, que premia seus consumidores com duas viagens para duas pessoas com destino ao Peru, duas viagens também com acompanhante para o Chile e dois cruzeiros para duas pessoas pela costa brasileira, totalizando 12 contemplados entre ganhadores e acompanhantes.

Segundo Haidée Höfs, Superintendente do Canoas Shopping, a ideia de unificar os esforços promocionais das duas datas mais importantes do primeiro semestre foi posta em prática pela primeira vez no ano passado com grande sucesso. “Com isso ampliamos o período da campanha para criar um evento ainda mais forte, dando seu prazo maior para que os clientes possam concorrer”, conclui Höfs.

Para participar basta trocar por cupons as notas fiscais das compras feitas nas lojas do Canoas Shopping durante o período da promoção, de 27/04 a 12/06. Cada R$ 200,00 dará direito a um cupom. As trocas podem ser feitas no balcão de trocas localizado na Praça das Palmeiras, no segundo piso do Canoas Shopping de segundas a sábados, das 10h às 22h, e domingos e feriados, das 11h30 às 22h, exceto no dia 01/05, data em que o balcão de trocas não irá funcionar.

Os sorteios da promoção Amor na Bagagem serão realizados às 17h dos dias 16 de maio, 30 de maio e 13 de junho, junto ao balcão de trocas.

Os prêmios serão dados em créditos de cartão de agência de viagens, com valores correspondentes aos destinos contemplados. As formas de utilização podem ser consultadas no regulamento completo que estará disponível no site www.canoasshopping.com.br durante o período da campanha. Promoção autorizada pela Caixa Federal, certificado de autorização nº (6-5701/2018).

Horário do balcão de trocas:

De 27 de abril a 12 de junho, de segundas a sábados: das 10h às 22h.

Domingos e feriados: das 11h30 às 22h, exceto dia 01/05, que o balcão de trocas não irá funcionar.

Datas dos sorteios:

16/05 às 17h – dois sorteios de uma viagem com acompanhante para o Chile;

30/05 às 17h – dois sorteios de uma viagem com acompanhante para o Peru;

13/06 às 17h – dois sorteios de um cruzeiro com acompanhante pela costa brasileira.

Última atualização ( Sex, 27 de Abril de 2018 09:53 )
 

Carreira de mentoring: assunto em alta

 

Você sabe o que é mentoring? O assunto vem registrando aumento no interesse do público e atraindo pessoas que desejam desenvolver uma carreira na área. Karen Waechter, profissional com 20 anos de atuação e mais de 1.300 pessoas atendidas, esclarece as principais dúvidas sobre o assunto e a diferença entre coach e mentoria.
Na semana em que o famoso empresário Eike Batista recebeu sua primeira turma de mentoria, assunto noticiado na imprensa brasileira, muitas pessoas começaram a buscar informações sobre o que é esta carreira. Para se ter uma ideia, o termo mentoring, que registrava 13 pontos nos interesses de pesquisa na internet no final de 2017, conforme a ferramenta Google Trends, saltou para 61 pontos em abril de 2018. As consultas sobre o significado de mentoring registraram uma ascensão de mais de 60%, também de acordo com o Google Trends, serviço que mostra os termos mais pesquisados no Google no decorrer do tempo. E as palavras “coaching e mentoring” registram uma ascensão de 200% nos últimos 90 dias.
A gaúcha Karen Waechter, mentoring que já atendeu a 1.314 pessoas ao longo de 20 anos de carreira, tem um vasto currículo como docente, palestrante, autora de livros, artigos publicados em revistas científicas e veículos de imprensa, além de ser mestre em Direção de Recursos Humanos, especialista em Planejamento e Gestão Estratégica, EAD e Novas Tecnologias e graduada em Processos Gerenciais, acredita que as notícias sobre nova carreira de Eike Batista podem despertar ainda mais interesse das pessoas sobre mentoring. Porém, teme, a imagem já desgastada do famoso empresário, apesar de seu sucesso financeiro, tem o potencial de lançar desconfianças sobre a seriedade dos profissionais de mentoria. “Mas, se ele está fazendo, é porque existe mercado”, avalia.
O que é preciso para ser um mentor?
Conforme explica, para ser mentoring, legalmente não é necessário um registro profissional nem uma formação acadêmica ou cursos de extensão em específico. Para exercer a função, é necessário ter experiência em uma área para guiar um mentorado para obtenção de resultados, além de conhecer ferramentas que possam ajudá-lo a atingir metas. Entretanto, Karen enfatiza que o ideal é que o aspirante a uma carreira de mentoring tenha formações básicas na área em que pretende atuar. “O mentoring é um guia, um mestre com vasta experiência profissional compartilhada de forma estratégica”, pontua.
Karen esclarece que a técnica inclui conversas e debates sobre o assuntos que precisa de avanços. “É uma ferramenta que foca na relação, em que o mentor capta as características do mentorado e as potencializa através de estratégias que otimizem a melhoria dos resultados”, afirma. Ela enfatiza que o método é importante em muitas áreas, como  educação, política, empresarial e  recursos humanos.
Sempre atenta ao planejamento, que muda de acordo com a resposta do mentorado, Karen esclarece que seu modo de trabalho consiste em acompanhar o crescimento e a superação do cliente diante do que antes era uma dificuldade. “À medida que a pessoa evolui, as técnicas são revisadas e adaptadas à nova realidade conquistada através mentoria. A pessoa se sente mais feliz e confiante. O resultado tem reflexos em muitos aspectos, desde a satisfação profissional e financeira até a saúde da pessoa", explica a mentoring.
Mentoring ou coaching? Entenda as diferenças
Quando se fala em mentoria, pressupõe-se que o profissional tenha uma trajetória com êxitos e formação específica ou multidisciplinar. “Através de sua expertise, ela vai guiar uma pessoa, o mentorado”, diz. Como exemplo, cita o caso de alguém que queira iniciar atividades nas redes sociais. O coach vai fazer perguntas e avaliar as respostas para ver se a pessoa realmente está preparada para começar. O mentoring, na mesma situação, vai traçar um plano, fazer treinamentos e estimular (e até “cobrar”) o cliente até atingir os resultados.
Outra diferença elementar está na duração do processo. No coaching, a duração é de 12 sessões, enquanto na mentoria a duração depende das metas pessoais e do ritmo de cada pessoa. “A mentoria usa de ferramentas do coach para alcançar objetivos. Os dois têm a função de auxiliar no estabelecimento de objetivos ou acompanhar resultados, porém o coach tem mais foco nas ferramentas”, esclarece. Para ser um coach, exige-se menos bagagem de mercado e a formação pode se dar a partir de um curso de menor duração.
“Não creio que um seja melhor do que o outro, mas sim mais adequado para as necessidades de cada pessoa”, diz. Para quem tem dúvidas sobre qual profissional escolher, ela aconselha pesquisar bastante, conversar com coachs e mentorings para buscar a melhor estratégia, que é individual. Muitas vezes, esclarece, pode ser um ótimo caminho desenvolver atividades com ambos.
Trajetória de Karen Waechter
“Eu costumo dizer que sou uma mentoring desde os meus nove anos de idade. Nessa época, eu já fazia palestras e atividades na igreja com crianças um pouco mais novas do que eu”, conta Karen. Já na vida profissional adulta, quando trabalhava dentro de empresas como coordenadora ou supervisora, ela desenvolvia treinamentos internos buscando guiar as pessoas para um próximo nível. “Isso sempre me acompanhou na minha trajetória. Então, posso dizer que eu sempre fui mentora de alguém”, afirma.
No início da sua formação acadêmica, a profissional também cursou sete semestres de Graduação em Psicologia. Embora não tenha concluído a faculdade, nem tenha desenvolvido a prática clínica ou usar métodos exclusivos dos psicólogos, Karen acredita que os conhecimentos adquiridos são muito válidos na atividade que desenvolve hoje, já que lhe permite detectar perfis e apontar aos seus mentorados como eles podem evoluir.
Em 2012, quando iniciou oficialmente na carreira de mentoring, ela já ouvia de amigos e, em especial de uma amiga coach, que ela deveria se dedicar a um talento natural: ajudar pessoas a desenvolverem suas potencialidades e, através do empreendedorismo, alcançar seus objetivos pessoais. “Eu falei para esta minha amiga que não queria ser coach e ela me disse: não precisa, pois tu já és uma mentoring”, relembra.
Karen afirma que sua maior preocupação é com os resultados obtidos pelos clientes. “Meu business é o sucesso dos meus clientes e ver que eles conseguem se desenvolver, melhorando suas vidas através de treinamentos, conhecimentos e perspectivas de metas é muito gratificante”, diz.

 

Você sabe o que é mentoring? O assunto vem registrando aumento no interesse do público e atraindo pessoas que desejam desenvolver uma carreira na área. Karen Waechter, profissional com 20 anos de atuação e mais de 1.300 pessoas atendidas, esclarece as principais dúvidas sobre o assunto e a diferença entre coach e mentoria.

Na semana em que o famoso empresário Eike Batista recebeu sua primeira turma de mentoria, assunto noticiado na imprensa brasileira, muitas pessoas começaram a buscar informações sobre o que é esta carreira. Para se ter uma ideia, o termo mentoring, que registrava 13 pontos nos interesses de pesquisa na internet no final de 2017, conforme a ferramenta Google Trends, saltou para 61 pontos em abril de 2018. As consultas sobre o significado de mentoring registraram uma ascensão de mais de 60%, também de acordo com o Google Trends, serviço que mostra os termos mais pesquisados no Google no decorrer do tempo. E as palavras “coaching e mentoring” registram uma ascensão de 200% nos últimos 90 dias.

A gaúcha Karen Waechter, mentoring que já atendeu a 1.314 pessoas ao longo de 20 anos de carreira, tem um vasto currículo como docente, palestrante, autora de livros, artigos publicados em revistas científicas e veículos de imprensa, além de ser mestre em Direção de Recursos Humanos, especialista em Planejamento e Gestão Estratégica, EAD e Novas Tecnologias e graduada em Processos Gerenciais, acredita que as notícias sobre nova carreira de Eike Batista podem despertar ainda mais interesse das pessoas sobre mentoring. Porém, teme, a imagem já desgastada do famoso empresário, apesar de seu sucesso financeiro, tem o potencial de lançar desconfianças sobre a seriedade dos profissionais de mentoria. “Mas, se ele está fazendo, é porque existe mercado”, avalia.

O que é preciso para ser um mentor?

Conforme explica, para ser mentoring, legalmente não é necessário um registro profissional nem uma formação acadêmica ou cursos de extensão em específico. Para exercer a função, é necessário ter experiência em uma área para guiar um mentorado para obtenção de resultados, além de conhecer ferramentas que possam ajudá-lo a atingir metas. Entretanto, Karen enfatiza que o ideal é que o aspirante a uma carreira de mentoring tenha formações básicas na área em que pretende atuar. “O mentoring é um guia, um mestre com vasta experiência profissional compartilhada de forma estratégica”, pontua.

Karen esclarece que a técnica inclui conversas e debates sobre o assuntos que precisa de avanços. “É uma ferramenta que foca na relação, em que o mentor capta as características do mentorado e as potencializa através de estratégias que otimizem a melhoria dos resultados”, afirma. Ela enfatiza que o método é importante em muitas áreas, como  educação, política, empresarial e  recursos humanos.

Sempre atenta ao planejamento, que muda de acordo com a resposta do mentorado, Karen esclarece que seu modo de trabalho consiste em acompanhar o crescimento e a superação do cliente diante do que antes era uma dificuldade. “À medida que a pessoa evolui, as técnicas são revisadas e adaptadas à nova realidade conquistada através mentoria. A pessoa se sente mais feliz e confiante. O resultado tem reflexos em muitos aspectos, desde a satisfação profissional e financeira até a saúde da pessoa", explica a mentoring.

Mentoring ou coaching? Entenda as diferenças

Quando se fala em mentoria, pressupõe-se que o profissional tenha uma trajetória com êxitos e formação específica ou multidisciplinar. “Através de sua expertise, ela vai guiar uma pessoa, o mentorado”, diz. Como exemplo, cita o caso de alguém que queira iniciar atividades nas redes sociais. O coach vai fazer perguntas e avaliar as respostas para ver se a pessoa realmente está preparada para começar. O mentoring, na mesma situação, vai traçar um plano, fazer treinamentos e estimular (e até “cobrar”) o cliente até atingir os resultados.

Outra diferença elementar está na duração do processo. No coaching, a duração é de 12 sessões, enquanto na mentoria a duração depende das metas pessoais e do ritmo de cada pessoa. “A mentoria usa de ferramentas do coach para alcançar objetivos. Os dois têm a função de auxiliar no estabelecimento de objetivos ou acompanhar resultados, porém o coach tem mais foco nas ferramentas”, esclarece. Para ser um coach, exige-se menos bagagem de mercado e a formação pode se dar a partir de um curso de menor duração.

“Não creio que um seja melhor do que o outro, mas sim mais adequado para as necessidades de cada pessoa”, diz. Para quem tem dúvidas sobre qual profissional escolher, ela aconselha pesquisar bastante, conversar com coachs e mentorings para buscar a melhor estratégia, que é individual. Muitas vezes, esclarece, pode ser um ótimo caminho desenvolver atividades com ambos.

Trajetória de Karen Waechter

“Eu costumo dizer que sou uma mentoring desde os meus nove anos de idade. Nessa época, eu já fazia palestras e atividades na igreja com crianças um pouco mais novas do que eu”, conta Karen. Já na vida profissional adulta, quando trabalhava dentro de empresas como coordenadora ou supervisora, ela desenvolvia treinamentos internos buscando guiar as pessoas para um próximo nível. “Isso sempre me acompanhou na minha trajetória. Então, posso dizer que eu sempre fui mentora de alguém”, afirma.

No início da sua formação acadêmica, a profissional também cursou sete semestres de Graduação em Psicologia. Embora não tenha concluído a faculdade, nem tenha desenvolvido a prática clínica ou usar métodos exclusivos dos psicólogos, Karen acredita que os conhecimentos adquiridos são muito válidos na atividade que desenvolve hoje, já que lhe permite detectar perfis e apontar aos seus mentorados como eles podem evoluir.

Em 2012, quando iniciou oficialmente na carreira de mentoring, ela já ouvia de amigos e, em especial de uma amiga coach, que ela deveria se dedicar a um talento natural: ajudar pessoas a desenvolverem suas potencialidades e, através do empreendedorismo, alcançar seus objetivos pessoais. “Eu falei para esta minha amiga que não queria ser coach e ela me disse: não precisa, pois tu já és uma mentoring”, relembra.

Karen afirma que sua maior preocupação é com os resultados obtidos pelos clientes. “Meu business é o sucesso dos meus clientes e ver que eles conseguem se desenvolver, melhorando suas vidas através de treinamentos, conhecimentos e perspectivas de metas é muito gratificante”, diz.

 

Alongamento de cílios fio a fio: você merece esse olhar

Quem não sonha em acordar, todos os dias, linda com um olhar marcante e cílios de boneca?

Isso não é mais sonho desde que a técnica de alongamento de cílios chegou por aqui. Mas você sabe como funciona e para quem é indicado este procedimento estético?

O alongamento de cílios fio a fio pode durar até 50 dias, desde que recebam cuidados específicos e passem por uma manutenção que garantirá o volume e beleza inicial.

A colocação é um trabalho minucioso que vai exigir da agenda da cliente uma média de 90 a 120 minutos e, Lourdes Amaral, especialista no procedimento, garante: são os melhores minutos que seu olhar poderá receber!

A colocação começa com um higienização da face, com foco na área dos olhos e dos cílios naturais.

Em seguida, é feito um isolamento da pálpebra inferior e, se preciso, uma sustentação da pálpebra superior para que a área que receberá os cílios, geralmente de fios de seda, fique pronta para o procedimento.

Para a colocação dos cílios fio a fio, é utilizada uma cola especifica, na cor preta, e a fixação se dá na haste do cílio natural. Pessoas sem cílios por qualquer que seja o motivo, precisam passar por uma avaliação médica antes do procedimento.

A colocação é minuciosa e designer são vários: você pode optar por um olhar mais gatinha, quando o fio da parte exterior é mais alongado, deixando o olhar mais “puxado”. Muitas mulheres preferem o designer boneca, cílios mais longos na parte central e, propositalmente menores nas partes interna e externa.

A especialista em alongamento de cílios e micropigmentação hiper realista Lourdes Amaral, explica que as vantagens são inúmeras quando se opta por uma colocação fio a fio: “além da durabilidade de até 50 dias, o cílio fio a fio fica muito mais natural. A lash designer pode aplicá-los de acordo com o que a cliente desejar no que diz respeito ao formato, ou obedecer a simetria do rosto”.

E as vantagens não param por aí, a colocação fio a fio garante mais saúde ao cílio natural, já que tenciona menos quando comparamos a colocação e retirada dos cílios postiços convencionais, e as máscaras de cílios que utilizamos diariamente.


 
Página 1 de 165

Publicidade

Publicidade

Blogs

Enquete

Você é favor da convocação de Eleições Gerais no Brasil
 

Twitter CN

    Newsletter

    Expediente

    EXPEDIENTE
    Rua Santos Ferreira, 50
    Canoas - RS
    CEP 92020-000
    Fone: (51) 3032-3190
    e-mail: redacao@jornal
    correiodenoticias.com.br

    Banner
    Banner

    TurcoDesign - Agencia de Publicidade Digital