Jornal Correio de Notícias

Página Inicial | Fala Leitor | O Papel da Mulher em Séries e Novelas de Televisão

O Papel da Mulher em Séries e Novelas de Televisão

E-mail Imprimir

Em janeiro deste ano, morreu Mary Tyler Moore e, sobre ela a jornalista Cláudia Laitano, disse em texto recente, que a série estrelada por ela entre 1970 e 1977,      viria mudar a forma como as mulheres eram retratadas na televisão e, como consequência,  o modo como as mulheres se viam a si mesmas. Mary tornou-se um símbolo de uma nova era.

Aqui no Brasil tivemos a série Malu Mulher, criada e dirigida por Daniel Filho. Mostrava a condição da mulher brasileira no final dos anos 1970 através do cotidiano de Malu, uma socióloga paulista, divorciada e mãe de uma menina de 12 anos. Abordava o processo de separação de Malu e as dificuldades dela na tentativa de conseguir se sustentar, manter a casa nova, e também a filha.Finalmente consegue um trabalho fixo, num instituto de pesquisa. Tem incío então, uma nova fase na sua vida. Vivíamos em plena ditadura militar e muitos capítulos foram censurados.

Da década de 1970 até hoje, muita coisa mudou. Em resposta aos cursos etiqueta e técnicas domésticas para as meninas, surgiram as “escolas de desprincesamento”. A oficina pioneira no Chile, já teve edições em São Paulo e, em janeiro passado, no Rio Grande do Sul.. A ideia do curso é “promover a igualdade de gêneros e o empoderamento infantojuvenil”.

Apesar dos avanços, as estatísticas comprovam que o feminicídio é um dos grandes problemas do Brasil.A Lei 13.104/2015 considera o feminicídio –assassinada pelo simples fato de ser mulher- como crime hediondo, mesmo assim, a cada hora e meia uma mulher é vítima deste crime.

Como se percebe, há realidades muito diferentes nas diversas regiões do Brasil e entre os diversos países do mundo, por isso,além da luta que vem sendo feita por organizações que lutam pelos direitos das mulheres, é preciso que se compreenda que a  educação tem um papel muito importante, para que as mulheres parem de ser mortas ou de sofrer violência doméstica.

É preciso promover reflexões profundas sobre as normas culturais e sociais que têm orientado a maneira como as mulheres e os homens são criados. A promoção da igualdade de gêneros e o combate à violência beneficia a sociedade como um todo, incluindo os homens.

Marina Lima Leal - Professora, colaboradora

 

Publicidade

Publicidade

Blogs

Enquete

Você é favor da convocação de Eleições Gerais no Brasil
 

Twitter CN

    Newsletter

    Expediente

    EXPEDIENTE
    Rua Santos Ferreira, 50
    Canoas - RS
    CEP 92020-000
    Fone: (51) 3032-3190
    e-mail: redacao@jornal
    correiodenoticias.com.br

    Banner
    Banner
    Banner

    TurcoDesign - Agencia de Publicidade Digital