Jornal Correio de Notícias

Página Inicial | Política | Direito às residências ocupadas no MQ4 será garantido às famílias

Direito às residências ocupadas no MQ4 será garantido às famílias

E-mail Imprimir

Reintegração de posse do condomínio Minha Casa, Minha Vida foi suspensa pela Justiça, mas Caixa entrará com novo pedido para a retirada dos ocupantes
Na tarde dessa terça-feira, 7, a Justiça suspendeu a reintegração de posse da área ocupada no MQ4, localizado no bairro Guajuviras, em Canoas. O prazo para a saída das 426 famílias que invadiram as residências do Minha Casa, Minha Vida (MCMV) venceria nesta quarta-feira, 8, e a operação de retirada deveria ser organizada em conjunto com a Brigada Militar nos próximos dias.
Conforme informações da Caixa Econômica Federal (CEF), responsável legal pelos conjuntos habitacionais, o pedido de reintegração será novamente encaminhado ao Poder Judiciário e o benefício será garantido às famílias contempladas pelo programa.
O Município, que possui uma política pública para garantir o direito à moradia a pessoas em situação de vulnerabilidade social, identificou que 82% dos ocupantes do MQ4 não estavam cadastrados no programa habitacional. Uma parcela deles, inclusive, sequer poderia se candidatar ao MCMV, por não ser moradora de Canoas.
A Prefeitura, que está intermediando o diálogo entre a Caixa e os reassentados que estão à espera das residências, está atuando sob orientação da Procuradoria-Geral do Município. "As famílias que iriam receber suas casas estão, inegavelmente, em prejuízo com esta suspensão. Porém, trata-se de uma decisão judicial, que precisa ser cumprida, mas que também pode encaminhar a situação para o diálogo, que é o que cabe à Prefeitura", analisa o secretário adjunto de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SMDUH), Jorge Dellamea.
Em relação a possíveis reações de violência por parte dos ocupantes, a secretaria alega que, embora seja uma questão de segurança pública – atribuição do Estado –, o Executivo municipal está sempre à disposição para atuar no sentido preventivo.

Entenda o Caso
Na noite do dia 2 de janeiro, mais de 400 famílias entraram sem autorização em casas de um condomínio em construção do Minha Casa, Minha Vida, próximo à Avenida do Nazário. Das 426 moradias planejadas para o local, 146 deveriam ser entregues aos beneficiários naquela semana, no dia 9, mas a posse foi impedida pela invasão.
Após pedido de reintegração de posse, a Justiça determinou a desocupação da propriedade em 45 dias – prazo alterado para 15, com vencimento hoje, 8 de fevereiro, e anulação ontem, 7.
O juiz responsável pela suspensão dos atos reintegratórios, Marcos Eduarte Reolon, entende que o melhor caminho para a solução do conflito é a conciliação entre as partes. A Caixa, no entanto, encara a medida como temporária.

 

Publicidade

Publicidade

Blogs

Enquete

Você é favor da convocação de Eleições Gerais no Brasil
 

Twitter CN

    Newsletter

    Expediente

    EXPEDIENTE
    Rua Santos Ferreira, 50
    Canoas - RS
    CEP 92020-000
    Fone: (51) 3032-3190
    e-mail: redacao@jornal
    correiodenoticias.com.br

    Banner
    Banner
    Banner

    TurcoDesign - Agencia de Publicidade Digital