Jornal Correio de Notícias

Tratamento de piscinas: purificar a água é fundamental para evitar doenças e o desperdício

E-mail Imprimir

Com o retorno do calor e do uso das piscinas, também ressurge o alerta para a importância da limpeza correta da água, já que piscinas sem tratamento correto podem ser contaminadas por algas, vírus, fungos e bactérias e, se usadas sem o tratamento adequado, se tornam transmissoras de doenças como micose, herpes, hepatite, entre outras.
Segundo Fábio Forlenza, especialista da hth, líder mundial em pesquisa, desenvolvimento e fabricação de produtos para tratamento de piscinas, além de evitar a contaminação, o tratamento correto também combate o desperdício de água, já que toda água contaminada por agentes naturais pode ser recuperada e não há a necessidade de trocá-la. “A situação da água só é irreversível quando a composição química forte é misturado a ela, por exemplo, gasolina, óleo queimado ou um pesticida potente. Muito barro também pode inviabilizar a recuperação”, explica o também conhecido como Professor Piscina. Fora isso, segundo Forlenza, tratamentos periódicos e com produtos adequados são capazes e mantê-la saudável e ideal para uso.
Passo a passo para a recuperação da água
De acordo com Forlenza, é importante verificar se a areia do filtro está em perfeitas condições e é preciso verificar a areia no mínimo uma vez por ano. O ideal é procurar um profissional para esta verificação. “Normalmente, a areia pode funcionar bem até dois anos”, explica.
Quando a água está verde, devido à contaminação por algas, é necessário fazer a avaliação e o ajuste da alcalinidade e do pH. “É possível fazer essa avaliação com uma fita teste que mostra os níveis da alcalinidade, pH, cloro livre e ácido cianúrico de forma rápida e prática. O pH deve estar entre 7,0 e 7,4 e a alcalinidade entre 80 e 120 ppm”, detalha o especialista. Para ajustar ambos, é necessário aplicar produtos com esse fim, como os redutores e elevadores de alcalinidade ou do pH. “Isso deve ser feito sempre antes de purificar a água, pois garante a eficiência do tratamento, além de uma piscina agradável para os olhos e a pele”, explica Forlenza.
Após a verificação, é o momento de aplicar o cloro granulado (hipoclorito de cálcio). “Para piscinas que, por algum motivo, ficaram meses paradas, será necessária a supercloração. Eu recomendo o uso de 14 gramas de cloro para cada mil litros de água”, diz. “Para manutenção, a aplicação de cloro deve ser feita de duas a três vezes por semana. Nesse caso, recomendo de 4 a 6 gramas para cada mil litros”, completa.
No caso da água verde, o próximo passo, após a aplicação do cloro, é o uso de um algicida de choque aliado à escovação das paredes e do piso, retirando as algas incrustradas. Após a decantação de todas as impurezas, ligar o filtro para a limpeza total.
Por último, é necessário aplicar um clarificante para garantir à água uma aparência cristalina. Dependendo do grau de contaminação, a piscina estará pronta para uso no dia seguinte. Caso a manutenção seja feita periodicamente, ela já poderá ser usada.
Além dos produtos químicos, também são necessários para o tratamento da água da piscina alguns acessórios como: peneira para retirar as folhas, cabo telescópico de alumínio para fazer a fazer a aspiração, aspirador de plástico, mangueira plástica para aspiração, escova para esfregar as paredes e o piso da piscina e esponja macia para limpar a borda.
SOBRE A HTH
Líder mundial em pesquisa, desenvolvimento e fabricação de produtos para tratamento de piscinas, a hth conta com duas plantas em solo brasileiro. A principal delas, ampliada em 2016, está localizada na cidade de Igaraçu, Pernambuco, e é responsável pela produção dos principais produtos da marca. Na segunda, em Salto, interior de São Paulo, são fabricados produtos complementares. Lá está também localizado um de seus centros de Pesquisa & Desenvolvimento, assim como a área com 18 piscinas para testes e comparativos. A empresa conta com outras sete plantas na África do Sul, nos Estados Unidos e na França.
A hth divide o tratamento de piscinas em três etapas: AVALIAR os principais parâmetros da água, PURIFICAR de fungos, bactérias e vírus e PROTEGER a beleza e cristalinidade. Trata-se da linha mais vendida e completa do mercado, desenvolvida com alta tecnologia e elevado padrão de qualidade.
Em junho deste ano, inaugurou, também em Salto, o Centro de Tecnologia de Aplicação para o desenvolvimento de sistemas de dosagem e aplicação de produtos. O local oferece estrutura integrada e maquinário de ponta que auxiliam no desenvolvimento de produtos, sistemas, métodos de aplicações e novas embalagens.
Mais informações em www.hth.com.br.

Com o retorno do calor e do uso das piscinas, também ressurge o alerta para a importância da limpeza correta da água, já que piscinas sem tratamento correto podem ser contaminadas por algas, vírus, fungos e bactérias e, se usadas sem o tratamento adequado, se tornam transmissoras de doenças como micose, herpes, hepatite, entre outras.

Segundo Fábio Forlenza, especialista da hth, líder mundial em pesquisa, desenvolvimento e fabricação de produtos para tratamento de piscinas, além de evitar a contaminação, o tratamento correto também combate o desperdício de água, já que toda água contaminada por agentes naturais pode ser recuperada e não há a necessidade de trocá-la. “A situação da água só é irreversível quando a composição química forte é misturado a ela, por exemplo, gasolina, óleo queimado ou um pesticida potente. Muito barro também pode inviabilizar a recuperação”, explica o também conhecido como Professor Piscina. Fora isso, segundo Forlenza, tratamentos periódicos e com produtos adequados são capazes e mantê-la saudável e ideal para uso.

Passo a passo para a recuperação da água

De acordo com Forlenza, é importante verificar se a areia do filtro está em perfeitas condições e é preciso verificar a areia no mínimo uma vez por ano. O ideal é procurar um profissional para esta verificação. “Normalmente, a areia pode funcionar bem até dois anos”, explica.

Quando a água está verde, devido à contaminação por algas, é necessário fazer a avaliação e o ajuste da alcalinidade e do pH. “É possível fazer essa avaliação com uma fita teste que mostra os níveis da alcalinidade, pH, cloro livre e ácido cianúrico de forma rápida e prática. O pH deve estar entre 7,0 e 7,4 e a alcalinidade entre 80 e 120 ppm”, detalha o especialista. Para ajustar ambos, é necessário aplicar produtos com esse fim, como os redutores e elevadores de alcalinidade ou do pH. “Isso deve ser feito sempre antes de purificar a água, pois garante a eficiência do tratamento, além de uma piscina agradável para os olhos e a pele”, explica Forlenza.

Após a verificação, é o momento de aplicar o cloro granulado (hipoclorito de cálcio). “Para piscinas que, por algum motivo, ficaram meses paradas, será necessária a supercloração. Eu recomendo o uso de 14 gramas de cloro para cada mil litros de água”, diz. “Para manutenção, a aplicação de cloro deve ser feita de duas a três vezes por semana. Nesse caso, recomendo de 4 a 6 gramas para cada mil litros”, completa.

No caso da água verde, o próximo passo, após a aplicação do cloro, é o uso de um algicida de choque aliado à escovação das paredes e do piso, retirando as algas incrustradas. Após a decantação de todas as impurezas, ligar o filtro para a limpeza total.

Por último, é necessário aplicar um clarificante para garantir à água uma aparência cristalina. Dependendo do grau de contaminação, a piscina estará pronta para uso no dia seguinte. Caso a manutenção seja feita periodicamente, ela já poderá ser usada.

Além dos produtos químicos, também são necessários para o tratamento da água da piscina alguns acessórios como: peneira para retirar as folhas, cabo telescópico de alumínio para fazer a fazer a aspiração, aspirador de plástico, mangueira plástica para aspiração, escova para esfregar as paredes e o piso da piscina e esponja macia para limpar a borda.

SOBRE A HTH

Líder mundial em pesquisa, desenvolvimento e fabricação de produtos para tratamento de piscinas, a hth conta com duas plantas em solo brasileiro. A principal delas, ampliada em 2016, está localizada na cidade de Igaraçu, Pernambuco, e é responsável pela produção dos principais produtos da marca. Na segunda, em Salto, interior de São Paulo, são fabricados produtos complementares. Lá está também localizado um de seus centros de Pesquisa & Desenvolvimento, assim como a área com 18 piscinas para testes e comparativos. A empresa conta com outras sete plantas na África do Sul, nos Estados Unidos e na França.

A hth divide o tratamento de piscinas em três etapas: AVALIAR os principais parâmetros da água, PURIFICAR de fungos, bactérias e vírus e PROTEGER a beleza e cristalinidade. Trata-se da linha mais vendida e completa do mercado, desenvolvida com alta tecnologia e elevado padrão de qualidade.

Em junho deste ano, inaugurou, também em Salto, o Centro de Tecnologia de Aplicação para o desenvolvimento de sistemas de dosagem e aplicação de produtos. O local oferece estrutura integrada e maquinário de ponta que auxiliam no desenvolvimento de produtos, sistemas, métodos de aplicações e novas embalagens.

Mais informações em www.hth.com.br.

 

Publicidade

Publicidade

Blogs

Enquete

Você é favor da convocação de Eleições Gerais no Brasil
 

Twitter CN

    Newsletter

    Expediente

    EXPEDIENTE
    Rua Santos Ferreira, 50
    Canoas - RS
    CEP 92020-000
    Fone: (51) 3032-3190
    e-mail: redacao@jornal
    correiodenoticias.com.br

    Banner
    Banner
    Banner

    TurcoDesign - Agencia de Publicidade Digital