Jornal Correio de Notícias

Página Inicial | Geral

Geral

Com pocket show do Espetáculo Korvatunturi, Papai Noel é recebido por mais de 2.500 pessoas no Canoas Shopping.

A chuva que transferiu o evento para o estacionamento coberto do Canoas Shopping não tirou o entusiasmo da multidão com mais de 2.500 pessoas que foi esperar o personagem mais importante do Natal nesta quarta-feira, dia 9. Papai Noel chegou pouco depois das 20h com um show de fogos de artifício e um pocket show do Espetáculo Korvatunturi, companhia artística de Gramado que apresentou uma fusão de teatro, dança e técnicas circenses, e que trouxe a magia do Natal para todas as idades.

Depois do show teve início outra tradição do Canoas Shopping: um animado desfile com Papai Noel, seus ajudantes, os artistas do Espetáculo Korvatunturi e o grande público que lotou todos os corredores do Shopping.

O auge do cortejo foi no Jardim de Natal, cenário localizado na Praça de Eventos Guilherme Schell, quando o Bom Velhinho posou para fotos com as crianças, recebeu pedidos de presentes além, é claro, de recolher muitos bicos.

Uma tradição que se repete há 18 anos, a chegada do Papai Noel no Canoas Shopping tem como objetivo retribuir o carinho da comunidade e tornar ainda mais feliz a data mais esperada do ano.

Horários para o Trono do Papai Noel

  • ·         09/11 – das 20h às 22h
  • ·         De 10/11 à 09/12 – das 12h às 20h
  • ·         De 10/12 à 23/12 – das 12h às 21h (segundas a sábados). Domingos, das 12h às 20h
  • ·         Dia 24/12 – das 10h às 18h
 

Base Aérea de Canoas abre seus portões no feriado do dia 15 de novembro

Venha passar seu feriado à sombra das asas das aeronaves da Força Aérea Brasileira e se encantar com a Esquadrilha da Fumaça, que retorna a Canoas depois de três anos.

Tradicionalmente ocorrido no dia das crianças, o evento “Portões Abertos” será realizado, neste ano, no dia 15 de novembro. Diferente das edições anteriores, mas com a mesma ênfase nas famílias, nas crianças e nos adoradores de aeronaves, a Base Aérea de Canoas preparou várias atrações para surpreender o público, como a tão esperada apresentação da Esquadrilha da Fumaça, que chega com suas novas aeronaves A-29 Super Tucano.

O Portão Principal da Base será aberto às 10 horas e o encerramento das atividades ocorrerá às 17 horas. A entrada é gratuita, porém, contamos com a colaboração de todos com a doação de 1 (um) quilo de alimento não perecível que, posteriormente, será repassado à instituições carentes por intermédio da Capelania desta Base Aérea.

Além da Esquadrilha da Fumaça, o evento contará com as seguintes atrações:

- Decolagens e pousos de aeronaves;

- Exposição estática de aeronaves civis e militares;

- Exposição Institucional da Força Aérea Brasileira;

- Estandes de produtos e serviços;

- Praça de alimentação; e

- Praça de brinquedos infantis.


SERVIÇO:

Feriado na Base Aérea de Canoas – Portões Abertos

Data: 15 de novembro, das 10 às 17 horas.

Local: Base Aérea de Canoas (Rua Augusto Severo nº1700, bairro Nossa Sra. das Gracas, Canoas).

Evento aberto ao público, entrada franca e 1 (um) quilo de alimento não perecível.

 

Três em cada dez idosos sentem falta de produtos voltados para a terceira idade

Quando a terceira idade chega, o que usualmente os brasileiros mais esperam é finalmente conseguirem aproveitar melhor o tempo livre e, em alguns casos, ir às compras acaba se tornando a atividade de lazer preferida dos idosos. Será que o mercado está preparado para atender às necessidades desse público? Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em todo o país mostra que 67% dos idosos são os únicos decisores sobre as compras que fazem, mas três em cada dez (34%) afirmam sentir falta de produtos para a terceira idade.
Entre estes produtos e serviços, os mais citados pelos entrevistados são o celular com teclado e telas maiores (13%), locais para diversão (12%) e roupas (11%). Com relação às roupas, 17% concordam que é difícil comprar, uma vez que encontram peças ou para pessoas muito idosas ou muito jovens. E não são somente os produtos que os idosos têm reclamações. Sobre as empresas e pontos de venda, também há melhorias que precisam ser feitas para 70% dos entrevistados, sendo um bom atendimento (37%), rótulos mais fáceis de serem lidos (34%), ter bancos para descanso (29%) e sinalizações com letras maiores (27%) as mais mencionadas.“
Embora a maioria dos idosos garanta ter autonomia para decidir como gastar o próprio dinheiro, boa parte se ressente da falta de produtos pensados especificamente para atender às suas necessidades. O levantamento mostra que definitivamente ainda há muito espaço no mercado para o segmento da terceira idade. A empresa do varejo que identificar as necessidades e desejos desse público-alvo, certamente ganhará novos clientes e verá suas vendas aumentarem”, explica Honório Pinheiro, presidente da CNDL.
“Nas próximas quatro décadas a população da terceira idade deve triplicar, chegando a mais de 66 milhões de pessoas, quase 30% da população. O mercado, portanto, deve se preparar e conhecer cada vez melhor as especificidades deste consumidor a fim ampliar sua participação no mercado e sua lucratividade”, afirma Pinheiro. “Os dados sobre o consumo na terceira idade sugerem que há um grande contingente de brasileiros com demandas bastante específicas e que muitas vezes ainda não são adequadamente atendidas. Os idosos querem comprar produtos desenvolvidos especialmente para eles, mas também desejam diversidade e qualidade. O momento é de oportunidade de grande potencial em segmentos como os de lazer, serviços, logística e saúde.”
Principais desejos de consumo: roupas e viagens
A pesquisa da CNDL e do SPC Brasil mapeou os desejos de consumo da terceira idade. Até o fim do ano, desconsiderando compras de produtos básicos para a residência, os entrevistados pretendem comprar roupas (29%), viagens (20%) e calçados (19%). Mais da metade dos entrevistados (53%) pretendem comprar produtos e/ou serviços que demandam uma quantia financeira maior nos próximos 12 meses: viagens (19%), eletrodomésticos (13%) e tratamentos dentários estéticos (12%).
Com relação aos últimos 12 meses, 55% e 10% dos entrevistados fizeram viagens nacionais e internacionais, respectivamente, geralmente pagas à vista (45%) ou parceladas no cartão de crédito (36%).
A escolha de um estabelecimento para fazer suas compras é feita levando em consideração principalmente o preço (69%), a qualidade (54%) e o atendimento (48%), e os principais locais de compra são as farmácias/drogarias (49%), lojas de rua/bairro (41%) e lojas de shoppings (25%). No caso de serviços oferecidos em domicílio, os mais relevantes para entrevistados são a entrega de medicamentos (63%), de compras feitas em supermercados (50%) e de lanches ou comida (32%).
Os meios de comunicação mais consumidos pela terceira idade são a TV aberta (80%), rádio (50%), TV por assinatura (45%) e internet (43%). Novelas (54%), filmes (40%) e saúde (28%) são os tipos de conteúdo que os entrevistados possuem mais interesse.
33% dos idosos deixam de comprar por falta de crédito
Diretamente ligado ao consumo como meio de viabilizar as compras, o acesso ao crédito também foi pesquisado pela CNDL e SPC Brasil. A conta corrente (69%) e o cartão de crédito (58%) são os serviços financeiros mais utilizados pelo público da terceira idade. Em seguida, aparecem cartão de loja (37%), cheque especial (19%), empréstimo consignado (18%), crediário/carnê (13%) e empréstimo pessoal (12%). De uma forma geral, percebe-se que as pessoas com idade entre 60 e 70 anos, e das classes A e B são as que mais têm acesso aos itens investigados e 41% dos que têm serviços financeiros não analisaram as tarifas ou juros cobrados ao contratar estes serviços.
Entre os produtos mais comprados no crédito estão o vestuário e calçados (39%), eletrodomésticos (33%) e eletroeletrônicos (26%). Considerando o último mês anterior à pesquisa, 19% dos entrevistados da terceira idade compraram algo sem necessidade estimulados pelo crédito fácil.
A falta de crédito é outro fator importante na vida dos idosos: três em cada dez (33%) não compram algo que têm vontade por esse motivo, principalmente carro ou moto (10%), viagens (5%) e eletrodomésticos (5%). Além disso, 15% dos entrevistados já passaram pela situação de ter o crédito negado, principalmente em bancos (5%), lojas de eletroeletrônicos (4%) e financeiras (4%).“
Ainda há bastante espaço para o desenvolvimento de políticas de crédito voltadas para o público da terceira idade, o que beneficia tanto o público quanto o mercado. Ao mesmo tempo, com todo o acesso e influências do mercado de consumo, é fundamental orientar os idosos para utilizar bem os instrumentos financeiros, para que não sejam levados ao desequilíbrio nas finanças e endividamento”, alerta o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli.
Para o especialista, um dos vilões do equilíbrio das finanças dos idosos é o empréstimo de nome. De acordo com a pesquisa, dois em cada dez idosos (19%) já fizeram empréstimo pessoal ou consignado para uso de terceiros (filhos, cônjuge, outros familiares), sendo as principais finalidades o pagamento de dívidas (39%) e a compra de carro/moto (15%) - 16% não souberam dizer o destino do dinheiro.
Vignoli ressalta que o idoso não pode se deixar levar apenas pelos laços emocionais: “Quem pede o empréstimo do nome geralmente precisa pagar compromissos pendentes, o que nunca é um bom sinal. Pode trazer desequilíbrio no orçamento e graves problemas financeiros para quem ofereceu ajuda. É fundamental orientar os idosos para utilizar bem os instrumentos financeiros, para que não sejam levados ao desequilíbrio nas finanças e endividamento”, conclui o educador.
Metodologia
Foram entrevistados 619 consumidores com idade acima de 60 anos de ambos os gêneros e de todas as classes sociais nas 27 capitais brasileiras. A margem de erro é de no máximo 3,9 pontos percentuais para um intervalo de confiança a 95%.

Quando a terceira idade chega, o que usualmente os brasileiros mais esperam é finalmente conseguirem aproveitar melhor o tempo livre e, em alguns casos, ir às compras acaba se tornando a atividade de lazer preferida dos idosos. Será que o mercado está preparado para atender às necessidades desse público? Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em todo o país mostra que 67% dos idosos são os únicos decisores sobre as compras que fazem, mas três em cada dez (34%) afirmam sentir falta de produtos para a terceira idade.

Entre estes produtos e serviços, os mais citados pelos entrevistados são o celular com teclado e telas maiores (13%), locais para diversão (12%) e roupas (11%). Com relação às roupas, 17% concordam que é difícil comprar, uma vez que encontram peças ou para pessoas muito idosas ou muito jovens. E não são somente os produtos que os idosos têm reclamações. Sobre as empresas e pontos de venda, também há melhorias que precisam ser feitas para 70% dos entrevistados, sendo um bom atendimento (37%), rótulos mais fáceis de serem lidos (34%), ter bancos para descanso (29%) e sinalizações com letras maiores (27%) as mais mencionadas.“

Embora a maioria dos idosos garanta ter autonomia para decidir como gastar o próprio dinheiro, boa parte se ressente da falta de produtos pensados especificamente para atender às suas necessidades. O levantamento mostra que definitivamente ainda há muito espaço no mercado para o segmento da terceira idade. A empresa do varejo que identificar as necessidades e desejos desse público-alvo, certamente ganhará novos clientes e verá suas vendas aumentarem”, explica Honório Pinheiro, presidente da CNDL.

“Nas próximas quatro décadas a população da terceira idade deve triplicar, chegando a mais de 66 milhões de pessoas, quase 30% da população. O mercado, portanto, deve se preparar e conhecer cada vez melhor as especificidades deste consumidor a fim ampliar sua participação no mercado e sua lucratividade”, afirma Pinheiro. “Os dados sobre o consumo na terceira idade sugerem que há um grande contingente de brasileiros com demandas bastante específicas e que muitas vezes ainda não são adequadamente atendidas. Os idosos querem comprar produtos desenvolvidos especialmente para eles, mas também desejam diversidade e qualidade. O momento é de oportunidade de grande potencial em segmentos como os de lazer, serviços, logística e saúde.”

Principais desejos de consumo: roupas e viagens

A pesquisa da CNDL e do SPC Brasil mapeou os desejos de consumo da terceira idade. Até o fim do ano, desconsiderando compras de produtos básicos para a residência, os entrevistados pretendem comprar roupas (29%), viagens (20%) e calçados (19%). Mais da metade dos entrevistados (53%) pretendem comprar produtos e/ou serviços que demandam uma quantia financeira maior nos próximos 12 meses: viagens (19%), eletrodomésticos (13%) e tratamentos dentários estéticos (12%).

Com relação aos últimos 12 meses, 55% e 10% dos entrevistados fizeram viagens nacionais e internacionais, respectivamente, geralmente pagas à vista (45%) ou parceladas no cartão de crédito (36%).

A escolha de um estabelecimento para fazer suas compras é feita levando em consideração principalmente o preço (69%), a qualidade (54%) e o atendimento (48%), e os principais locais de compra são as farmácias/drogarias (49%), lojas de rua/bairro (41%) e lojas de shoppings (25%). No caso de serviços oferecidos em domicílio, os mais relevantes para entrevistados são a entrega de medicamentos (63%), de compras feitas em supermercados (50%) e de lanches ou comida (32%).

Os meios de comunicação mais consumidos pela terceira idade são a TV aberta (80%), rádio (50%), TV por assinatura (45%) e internet (43%). Novelas (54%), filmes (40%) e saúde (28%) são os tipos de conteúdo que os entrevistados possuem mais interesse.

33% dos idosos deixam de comprar por falta de crédito

Diretamente ligado ao consumo como meio de viabilizar as compras, o acesso ao crédito também foi pesquisado pela CNDL e SPC Brasil. A conta corrente (69%) e o cartão de crédito (58%) são os serviços financeiros mais utilizados pelo público da terceira idade. Em seguida, aparecem cartão de loja (37%), cheque especial (19%), empréstimo consignado (18%), crediário/carnê (13%) e empréstimo pessoal (12%). De uma forma geral, percebe-se que as pessoas com idade entre 60 e 70 anos, e das classes A e B são as que mais têm acesso aos itens investigados e 41% dos que têm serviços financeiros não analisaram as tarifas ou juros cobrados ao contratar estes serviços.

Entre os produtos mais comprados no crédito estão o vestuário e calçados (39%), eletrodomésticos (33%) e eletroeletrônicos (26%). Considerando o último mês anterior à pesquisa, 19% dos entrevistados da terceira idade compraram algo sem necessidade estimulados pelo crédito fácil.

A falta de crédito é outro fator importante na vida dos idosos: três em cada dez (33%) não compram algo que têm vontade por esse motivo, principalmente carro ou moto (10%), viagens (5%) e eletrodomésticos (5%). Além disso, 15% dos entrevistados já passaram pela situação de ter o crédito negado, principalmente em bancos (5%), lojas de eletroeletrônicos (4%) e financeiras (4%).“

Ainda há bastante espaço para o desenvolvimento de políticas de crédito voltadas para o público da terceira idade, o que beneficia tanto o público quanto o mercado. Ao mesmo tempo, com todo o acesso e influências do mercado de consumo, é fundamental orientar os idosos para utilizar bem os instrumentos financeiros, para que não sejam levados ao desequilíbrio nas finanças e endividamento”, alerta o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli.

Para o especialista, um dos vilões do equilíbrio das finanças dos idosos é o empréstimo de nome. De acordo com a pesquisa, dois em cada dez idosos (19%) já fizeram empréstimo pessoal ou consignado para uso de terceiros (filhos, cônjuge, outros familiares), sendo as principais finalidades o pagamento de dívidas (39%) e a compra de carro/moto (15%) - 16% não souberam dizer o destino do dinheiro.

Vignoli ressalta que o idoso não pode se deixar levar apenas pelos laços emocionais: “Quem pede o empréstimo do nome geralmente precisa pagar compromissos pendentes, o que nunca é um bom sinal. Pode trazer desequilíbrio no orçamento e graves problemas financeiros para quem ofereceu ajuda. É fundamental orientar os idosos para utilizar bem os instrumentos financeiros, para que não sejam levados ao desequilíbrio nas finanças e endividamento”, conclui o educador.

Metodologia

Foram entrevistados 619 consumidores com idade acima de 60 anos de ambos os gêneros e de todas as classes sociais nas 27 capitais brasileiras. A margem de erro é de no máximo 3,9 pontos percentuais para um intervalo de confiança a 95%.

 

 

A tecnologia e a educação

Estamos cada dia mais conectados. Tablets, computadores e smartphones fazem parte do dia a dia de adultos e crianças. Quando tratamos de vida escolar, torna-se necessária a integração das instituições de ensino e dos professores com esse meio. “A tecnologia quando usada de forma adequada é sim uma ferramenta de apoio ao docente em suas práticas pedagógicas”, comenta Ana Regina Caminha Braga, psicopedagoga e especialista em educação especial e em gestão escolar.

Segundo a profissional, é necessária a capacitação desses profissionais, para que eles possam conhecer essas ferramentas, e assim decidir a melhor maneira de utilização em sala com os alunos. Ana Regina lembra ainda, que tais ferramentas tecnológicas são apenas apoio, não devem ser colocadas em primeiro lugar. “Com o uso da tecnologia em sala o docente tem novas opções, novas ferramentas de apoio, que complementam sua jornada na transmissão do conhecimento, a tecnologia não deve se sobrepor a isso”, explica.

Aqui no Brasil, algumas escolas já aderiram a essas novas ferramentas, para ajudar no processo educacional. Um exemplo disso são as chamadas “lousas digitais”, que dão novas opções ao professor como realizar jogos educativos, projetos e exercícios especiais com os alunos. “As lousas digitais, assim como as demais tecnologias educacionais, podem ser utilizadas em sala de aula para motivar o processo de ensino nas escolas e dar ainda mais vida a prática docente e ao processo de aprendizagem das crianças”, comenta.

Para finalizar, Ana Regina lembra que alguns cuidados devem ser tomados pelas escolas e professores, evitando assim a possibilidade de lacunas no processo do conhecimento. “Aderir às novas tecnologias pode ser algo muito positivo, desde que elas sejam adaptadas a cada ambiente educativo”, completa.

 

ENEM: Neurologista dá dicas para conseguir uma boa nota no exame

Falta menos de uma semana para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), porta de entrada para muitos jovens em universidades públicas e privadas. Toda uma vida escolar será avaliada em duas tardes, sob a pressão do tempo, das cobranças internas e externas e de muita ansiedade.

“O rendimento cerebral no dia de uma prova como o Enem é exigido de forma complexa e abrangente. Controle emocional, foco, capacidade de evocação (de memorização), estratégia, raciocínio lógico, criatividade e rapidez são as modalidades cognitivas mais importantes nessa hora”, explica o médico neurologista Leandro Teles em seu livro “Antes que eu me esqueça”, lançado pela editora Alaúde. Para o médico, essa missão é uma verdadeira maratona mental: “Não basta estar preparado; é fundamental conseguir acessar a informação com segurança, velocidade e não oscilar no transcorrer da prova”, afirma.

Para ajudar os estudantes neste momento tão importante, o doutor Leandro listou algumas dicas em seu livro com o intuito de auxiliá-los no processo de memorização e garantir uma boa performance no dia da prova.

Confira:

Controle emocional: “A adrenalina e o medo do fracasso ajudam o cérebro na motivação e no foco. O problema é a dose! Excesso de tensão e ansiedade elevam o risco de cometer erros bobos, dificultam a percepção de detalhes e provocam os temidos brancos”, explica o médico. Para ele, na hora H, o estudante precisa apenas responder com tranquilidade, e não ficar martelando que é o evento mais importante da sua vida e que você não pode falhar. “Isso não ajuda a encontrar a resposta correta de nenhuma questão”.

Estratégia de prova: Toda missão exige uma estratégia! A prova não seria diferente. “Conheça bem as regras do jogo, o tempo total, o número de matérias e questões por matérias. Atribua tempos específicos para cada uma, de acordo com o grau de dificuldade individual. Além disso, não se esqueça de chegar com antecedência, com a documentação em mãos. Gerencie a dinâmica da prova e preencha o gabarito com tranquilidade”, indica o doutor.

Facilite a evocação: De acordo com Teles, o cérebro precisa encontrar as gavetas mentais certas para evocar o conhecimento. Ele explica que cada parte da prova versa sobre um universo peculiar. “Uma dica é evitar ficar pulando de uma matéria para outra sem necessidade; procure entrar em determinado tema e encerrar as questões desse tópico antes de passar para o próximo. Outra sugestão é mentalizar, por alguns segundos, coisas relacionadas ao tema que você irá adentrar – o rosto dos professores dessa matéria, a capa da apostila ou dos livros, o tema básico, entre outros pensamentos sugestivos”, explica. Trata-se de um exercício mental de poucos segundos que leva o cérebro para o contexto correto e ajuda na evocação do conteúdo específico.

Valorize o insight e sua intuição: Em seu livro, o médico explica que nem tudo é lembrança consciente ou raciocínio lógico. Nosso cérebro trabalha com impressões por vezes dissociadas de linguagem e de rastro de lembrança. Chamamos isso de intuição ou insight, uma impressão subjetiva e desancorada de que algo está correto ou não, que vai ocorrer ou não. “Na prova, na ausência de capacidade cognitiva de resolver conscientemente um teste, chute e arrisque baseado na impressão subjetiva e intuitiva inicial, pois a chance de acerto será maior. É muito comum trocar o chute por tentar racionalizá-lo e se arrepender depois”, sugere o especialista.

Grau de cansaço: O doutor reitera que um cérebro descansado é sempre mais confiável. “Procure dormir bem na semana que antecede a prova e reduza a carga de estudos. Priorize revisões leves e temas que você tem mais facilidade e domínio. Dê preferência para exercícios aeróbicos leves, alongamentos e atividades ao ar livre. Isso ajuda a suportar a tensão muscular durante a prova e controla o sono e a ansiedade”, afirma.

Confiança: Segundo Teles, é muito importante entrar confiante e manter essa confiança durante a prova. “Evite estudar temas novos ou muito complexos nos dias que antecedem a prova. Valorize o que você estudou durante o ano e não fique pensando naquilo que você não estudou ou não aprendeu. Trabalhe sua autoestima. Inicie a prova com assuntos que você domina, pois isso traz segurança, motivação e ajuda no controle de tempo. Não fique fragilizado com questões que você não sabe a resposta e não permita que isso tire sua estabilidade. Se não sabe a resposta, siga com tranquilidade e volte nas complicadas apenas no final. Isso evita desgaste e perda excessiva de tempo”, explica o doutor.

Alimentação: Nada de passar fome ou sede. O doutor indica que o jovem se alimente adequadamente nos dias que antecedem o exame e principalmente durante a prova. “Evite os excessos alimentares, pois isso deixa o processo mental mais lento e causa sonolência. Durante a prova, tenha em mãos algum alimento rápido, como barra de cereais e água. Lembre-se de manter-se hidratado, mas não beba água em excesso, para não precisar ir ao banheiro várias vezes durante a prova”, conclui.

 

DIA 29 DE OUTUBRO - DIA MUNDIAL DO AVC (ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL)

A cada ano, 17 milhões de pessoas tem um AVC no mundo, 6,5 milhões morrem e 26 milhões vivem com incapacidade permanente. No Brasil, trata-se da segunda maior causa de morte e da primeira causa de incapacidade física definitiva.

O AVC é um déficit neurológico provocado por algum problema circulatório no cérebro. Há dois tipos: o isquêmico (AVCI), onde há obstrução de uma artéria, impedindo a chegada de oxigênio nos neurônios, e o hemorrágico (AVCH), quando ocorre extravasamento de sangue no interior do cérebro ou das meninges.

Podemos suspeitar que alguém está tendo um AVC quando subitamente ocorre:

  • paralisia do braço (pedimos para a pessoa estender os braços e ela tem dificuldade com um deles);
  • paralisia da face (assimetria da face quando a pessoa sorri);
  • alteração na forma de falar, fala enrolada ou não consegue falar;
  • alterações súbitas na visão, formigamentos em metade do corpo, alteração súbita de equilíbrio e coordenação.

O paciente com suspeita de AVC deve ser imediatamente levado a um serviço de emergência capacitado a atender este tipo de situação. Até 4 horas e meia depois da instalação do AVCI é possível usar uma medicação que desobstrui o vaso, aumentando as chances de recuperação.

Além do tratamento é fundamental saber que mais de 90% dos casos podem ser prevenidos. O AVC pode ser prevenido através de:

  • fazendo exercícios físicos regulares;
  • alimentação balanceada, com pouco sal, açúcar e gordura, e rica em vegetais;
  • controle da pressão arterial;
  • controle adequado do diabetes;
  • controle rigoroso dos níveis de colesterol;
  • não fumando;
  • evitando o consumo excessivo de bebidas alcoólicas;
  • pessoas que já tiveram AVC ou com alto risco, podem necessitar de medicamentos ou mesmo cirurgia, quando há obstrução das carótidas.
Fontes:
 
Página 5 de 211

Publicidade

Publicidade

Blogs

Enquete

Você é favor da convocação de Eleições Gerais no Brasil
 

Twitter CN

    Newsletter

    Expediente

    EXPEDIENTE
    Rua Santos Ferreira, 50
    Canoas - RS
    CEP 92020-000
    Fone: (51) 3032-3190
    e-mail: redacao@jornal
    correiodenoticias.com.br

    Banner
    Banner
    Banner

    TurcoDesign - Agencia de Publicidade Digital