Jornal Correio de Notícias

Página Inicial | Fala Serio

Fala Serio

País carece de tolerância e diálogo

Coordenadora do curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina (FASM) faz análise do momento brasileiro atual, tanto na política, como na vida do cidadão comum
A crise política e econômica que atinge o Brasil tem mostrado um lado perverso: a intolerância revestida de direito a opinar. No ambiente do Congresso, no mundo corporativo e nas redes sociais, não faltam histórias e casos de agressão verbais e físicas, que envolvem pessoas que dizem ser comprometidas com a ética. De um lado, vemos uma minguada base aliada, que defende ferrenhamente o governo. De outro, uma oposição renovada, que ganha forças com o impeachment cada vez mais perto. E no meio de tudo isso, uma população cada vez mais dividida, que “debate", mas não chega a uma conclusão. Afinal, há muito tempo a discussão deixou de ser racional e passou para um nível mais perigoso, o emocional, analisa Rita do Val Santos, coordenadora do curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina (FASM).
“As sessões do Legislativo lembram as brigas de torcidas organizadas. Nas redes sociais, o debate democrático deu lugar à barbárie, com trocas de ofensas pessoais, insultos e ameaças. Gente que justifica o emprego da tortura (que é crime no Brasil), pede a volta da ditadura militar, faz apologia ao estupro como prática "educativa" e defende que o adversário deveria ser exterminado (genocídio?)".
A cada dia, o País vivencia a sensação de intolerância. As amizades estão cada vez mais abaladas, principalmente no ambiente virtual. Segundo pesquisa conduzida pela VitaSmart, uma em cada cinco pessoas diminui seu contato com amigos na vida real devido a brigas nas redes sociais. E 19% dos 2.698 entrevistados admitiram ter bloqueado ou cancelado amizades por causa de discussões virtuais.
“Triste ver que a violência tomou o lugar do uso da razão e que a intolerância com quem pensa ‘diferente’ transforma amigos em inimigos, colegas em adversários”, lamenta a professora. Para ela, “estamos na contramão da História, já que, desde o final da Segunda Guerra Mundial, o mundo organiza-se para a construção e manutenção da paz, e o Brasil sempre teve papel importante na mediação de acordos, dada a vocação de seu povo e de seus governantes para o diálogo. Rita ainda afirma: “Talvez tenhamos esquecido de que somos todos parte de um país, que queremos que o Brasil supere suas dificuldades, para que todos nós, brasileiros e estrangeiros que aqui vivemos, possamos ter uma vida digna, progresso social e, claro, paz”.
A professora conclui: “Políticos são mediadores das relações entre o Estado e a sociedade. Defendem (ou deveriam defender) interesses da população, com competência para construir pontes entre opositores. A capacidade de desconstruir, a animosidade e a dinâmica adversarial devem dar lugar ao diálogo. Isso é requisito básico de quem recebe um mandato público”, finaliza a especialista.

Coordenadora do curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina (FASM) faz análise do momento brasileiro atual, tanto na política, como na vida do cidadão comum.

A crise política e econômica que atinge o Brasil tem mostrado um lado perverso: a intolerância revestida de direito a opinar. No ambiente do Congresso, no mundo corporativo e nas redes sociais, não faltam histórias e casos de agressão verbais e físicas, que envolvem pessoas que dizem ser comprometidas com a ética. De um lado, vemos uma minguada base aliada, que defende ferrenhamente o governo. De outro, uma oposição renovada, que ganha forças com o impeachment cada vez mais perto. E no meio de tudo isso, uma população cada vez mais dividida, que “debate", mas não chega a uma conclusão. Afinal, há muito tempo a discussão deixou de ser racional e passou para um nível mais perigoso, o emocional, analisa Rita do Val Santos, coordenadora do curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina (FASM).

“As sessões do Legislativo lembram as brigas de torcidas organizadas. Nas redes sociais, o debate democrático deu lugar à barbárie, com trocas de ofensas pessoais, insultos e ameaças. Gente que justifica o emprego da tortura (que é crime no Brasil), pede a volta da ditadura militar, faz apologia ao estupro como prática "educativa" e defende que o adversário deveria ser exterminado (genocídio?)".

A cada dia, o País vivencia a sensação de intolerância. As amizades estão cada vez mais abaladas, principalmente no ambiente virtual. Segundo pesquisa conduzida pela VitaSmart, uma em cada cinco pessoas diminui seu contato com amigos na vida real devido a brigas nas redes sociais. E 19% dos 2.698 entrevistados admitiram ter bloqueado ou cancelado amizades por causa de discussões virtuais.

“Triste ver que a violência tomou o lugar do uso da razão e que a intolerância com quem pensa ‘diferente’ transforma amigos em inimigos, colegas em adversários”, lamenta a professora. Para ela, “estamos na contramão da História, já que, desde o final da Segunda Guerra Mundial, o mundo organiza-se para a construção e manutenção da paz, e o Brasil sempre teve papel importante na mediação de acordos, dada a vocação de seu povo e de seus governantes para o diálogo. Rita ainda afirma: “Talvez tenhamos esquecido de que somos todos parte de um país, que queremos que o Brasil supere suas dificuldades, para que todos nós, brasileiros e estrangeiros que aqui vivemos, possamos ter uma vida digna, progresso social e, claro, paz”.

A professora conclui: “Políticos são mediadores das relações entre o Estado e a sociedade. Defendem (ou deveriam defender) interesses da população, com competência para construir pontes entre opositores. A capacidade de desconstruir, a animosidade e a dinâmica adversarial devem dar lugar ao diálogo. Isso é requisito básico de quem recebe um mandato público”, finaliza a especialista.

 

Bullying e as Crianças com Sobrepeso

Bullying é um tema que repercute não apenas no cenário escolar, mas possui desdobramentos noutras instâncias da vida das pessoas. Todavia, é importante consolidar seus conceitos e lutar para o combate de sua progressão no meio escolar. O papel que a escola precisa desempenhar em relação ao bullying com as crianças, em específico nos casos de sobrepeso, é o de amenizar qualquer distância que menospreza ou impossibilita o outro de mostrar o seu potencial.

Como mestre e pesquisadora da Educação é possível compreender que a escola precisa trabalhar e se desenvolver para que a tomada de consciência aconteça de modo geral, desde a equipe pedagógica, o administrativo até os discentes. Por isso, devemos estar atentos para detectar o processo e trabalhar em prol dos alunos vitimizados pelo Bullying. Essa mobilização talvez seja uma alternativa para diminuir tal sofrimento. Cabe também ao núcleo escolar proporcionar aos alunos a participação em feiras culturais, exposições, diálogo com outros colegas e assim por diante, deixando-os mais à vontade no meio.

A obesidade infantil pode ter inúmeras consequências, inclusive na vida adulta. Os problemas de saúde não são apenas físicos, mas também psicológicos. As crianças com sobrepeso têm uma imagem corporal negativa, que leva a uma baixa autoestima; sentem-se ansiosos em relação ao peso, discriminados e estigmatizados por colegas e adultos. Isto tem consequência no comportamento, além da condição de afetar negativamente seu progresso acadêmico e social. Da mesma maneira, o tratamento deve ser multidisciplinar e incluir vários profissionais. É de extrema importância a intervenção na família e na escola, com planos que possam mediar o estilo de vida saudável.

Essas crianças chegam aos consultórios bastante sofridas, e mesmo assim sabemos que a maior parte delas não terá atendimento adequado, e, em alguns casos, nem o reconhecimento da situação. Diante do exposto, a principal forma de lutar para evitar o bullying, é investir em prevenção e estimular a discussão aberta com todos os atores da cena escolar, incluindo pais e alunos. Orientar os pais para que possam ajudar, pois os mesmos devem estar sempre alertas para o problema, seja o filho vítima ou agressor, ambos precisam de ajuda e apoio psicológico. Em muitos casos é esquecida a prática de cuidar do agressor, este também pede socorro.

Muitas crianças que são vitimas desse ato preferem não frequentar as aulas por medo de serem humilhadas, e outras preferem iniciar dietas milagrosas para adquirir um corpo magro e se adequar ao modelo de sociedade para não mais sofrerem o bullying. O Bullying é um problema sério que precisa ser extinto, com o apoio do colégio, pais e próprios alunos. O culto do corpo perfeito já está contaminando por essa razão as crianças preferem ser magras, a ser saudáveis. Estar em sobrepeso não é ser saudável, no entanto, não é motivo para ser humilhado. E isso requer um tratamento multidisciplinar.

Ana Regina Caminha Braga - escritora, psicopedagoga e especialista em educação especial e em gestão escolar.

 

Um golpe parlamentar e a volta reacionária da religião, da família, de Deus e contra a corrupção

 

Um golpe parlamentar e a volta reacionária da religião, da família, de Deus e contra a corrupção
18/04/2016
Um golpe parlamentar e a volta reacionária da religião, da família, de Deus e contra a corrupção
Leonardo Boff*
Observando o comportamento dos parlamentares nos três dias em que discutiram a admissibilidade do impedimento da presidenta Dilma Rousseff parecia-nos ver criançolas se divertindo num jardim da infância. Gritarias por todo canto. Coros recitando seus mantras contra ou a favor do impedimento. Alguns vinham fantasiados com os símbolos de suas causas. Pessoas vestidas com a bandeira nacional como se estivessem num dia de carnaval. Placas com seus slogans repetitivos. Enfim, um espetáculo indigno de pessoas decentes de quem se esperaria um mínimo de seriedade. Chegou-se a fazer até um bolão de apostas como se fora um jogo do bicho ou de futebol.
Mas o que mais causou estranheza foi a figura do presidente da Câmara que presidiu a sessão, o deputado Eduardo Cunha. Ele vem acusado de muitos crimes e é réu pelo Supremo Tribunal Federal: um gangster julgando uma mulher decente contra a qual ninguém ousou lhe atribuir qualquer crime.
Precisamos questionar a responsabilidade do Supremo Tribunal Federal por ter permitido esse ato que nos envergonhou nacional e internacionalmente a ponto de o New York Times de 15 de abril escrever: “Ela não roubou nada, mas está sendo julgada por uma quadrilha de ladrões”. Que interesse secreto alimenta a Suprema Corte face a tão escandalosa omissão? Recusamos a idéia de que esteja participando de alguma conspiração.
Ocorreu na declaração de voto algo absolutamente desviante. Tratava-se de julgar se a presidenta havia cometido um crime de irresponsabilidade fiscal junto a outros manejos administrativos das finanças, base jurídica para um processo político de impedimento que implica destituir a presidenta de seu cargo, conseguido pelo voto popular majoritário. Grande parte dos deputados sequer se referiu a essa base jurídica, as famosas pedaladas fiscais etc. Ao invés de se ater juridicamente ao eventual crime, deram asas à politização da insatisfação generalizada que corre pela sociedade em razão da crise econômica, do desemprego e da corrupção na Petrobrás. Essa insatisfação pode representar um erro político da presidenta mas não configura um crime.
Como num ritornello, a grande maioria se concentrou na corrupção e nos efeitos negativos da crise. Apostrofaram hipocritamente o governo de corrupto quando sabemos que um grande número de deputados está indiciado em crimes de corrupção. Boa parte deles se elegeu com dinheiro da corrupção política, sustentada pelas empresas. Generalizando, com honrosas exceções, os deputados não representam os interesses coletivos mas aqueles das empresas que lhes financiaram as campanhas.
Importa notar um fato preocupante: emergiu novamente como um espantalho a velha campanha que reforçou o golpe militar de 1964: as marchas da religião, da família, de Deus e contra a corrupção. Dezenas de parlamentares da bancada evangélica claramente fizeram discursos de tom religioso e invocando o nome de de Deus. E todos, sem exceção, votaram pelo impedimento. Poucas vezes se ofendeu tanto o segundo mandamento da lei de Deus que proibe usar o santo nome de Deus em vão. Grande parte dos parlamentares de forma puerial dedicavam seu voto à família, à esposa, à avó, aos filhos e aos netos, citando seus nomes, numa espetacularização da política de reles banalidade. Ao contrario, aqueles contra o impedimento argumentavam e mostravam um comportamento decente.
Fez-se um julgamento apenas politico sem embasamento jurídico convicente, o que fere o preceito constitucional. O que ocorreu foi um golpe parlamentar inaceitável.
Os votos contra o impedimento não foram suficientes. Todos saimos diminuidos como nação e envergonhados dos representantes do povo que, na verdade, não o representam nem pretendem mudar as regras do jogo político.
Agora nos resta esperar a racionalidade do Senado que irá analisar a validade ou não dos argumentos jurídicos, base para um julgamento político acerca de um eventual crime de responsabilidade, negado por notáveis juristas do país.
Talvez não tenhamos ainda suficientemente amadurecido como povo para poder realizar uma democracia digna deste nome: a tradução para o campo da politica da soberania popular.
*Leonardo Boff é articulista do JB online e escritor.

 

Observando o comportamento dos parlamentares nos três dias em que discutiram a admissibilidade do impedimento da presidenta Dilma Rousseff parecia-nos ver criançolas se divertindo num jardim da infância. Gritarias por todo canto. Coros recitando seus mantras contra ou a favor do impedimento. Alguns vinham fantasiados com os símbolos de suas causas. Pessoas vestidas com a bandeira nacional como se estivessem num dia de carnaval. Placas com seus slogans repetitivos. Enfim, um espetáculo indigno de pessoas decentes de quem se esperaria um mínimo de seriedade. Chegou-se a fazer até um bolão de apostas como se fora um jogo do bicho ou de futebol.

Mas o que mais causou estranheza foi a figura do presidente da Câmara que presidiu a sessão, o deputado Eduardo Cunha. Ele vem acusado de muitos crimes e é réu pelo Supremo Tribunal Federal: um gangster julgando uma mulher decente contra a qual ninguém ousou lhe atribuir qualquer crime.

Precisamos questionar a responsabilidade do Supremo Tribunal Federal por ter permitido esse ato que nos envergonhou nacional e internacionalmente a ponto de o New York Times de 15 de abril escrever: “Ela não roubou nada, mas está sendo julgada por uma quadrilha de ladrões”. Que interesse secreto alimenta a Suprema Corte face a tão escandalosa omissão? Recusamos a idéia de que esteja participando de alguma conspiração.

Ocorreu na declaração de voto algo absolutamente desviante. Tratava-se de julgar se a presidenta havia cometido um crime de irresponsabilidade fiscal junto a outros manejos administrativos das finanças, base jurídica para um processo político de impedimento que implica destituir a presidenta de seu cargo, conseguido pelo voto popular majoritário. Grande parte dos deputados sequer se referiu a essa base jurídica, as famosas pedaladas fiscais etc. Ao invés de se ater juridicamente ao eventual crime, deram asas à politização da insatisfação generalizada que corre pela sociedade em razão da crise econômica, do desemprego e da corrupção na Petrobrás. Essa insatisfação pode representar um erro político da presidenta mas não configura um crime.

Como num ritornello, a grande maioria se concentrou na corrupção e nos efeitos negativos da crise. Apostrofaram hipocritamente o governo de corrupto quando sabemos que um grande número de deputados está indiciado em crimes de corrupção. Boa parte deles se elegeu com dinheiro da corrupção política, sustentada pelas empresas. Generalizando, com honrosas exceções, os deputados não representam os interesses coletivos mas aqueles das empresas que lhes financiaram as campanhas.

Importa notar um fato preocupante: emergiu novamente como um espantalho a velha campanha que reforçou o golpe militar de 1964: as marchas da religião, da família, de Deus e contra a corrupção. Dezenas de parlamentares da bancada evangélica claramente fizeram discursos de tom religioso e invocando o nome de de Deus. E todos, sem exceção, votaram pelo impedimento. Poucas vezes se ofendeu tanto o segundo mandamento da lei de Deus que proibe usar o santo nome de Deus em vão. Grande parte dos parlamentares de forma puerial dedicavam seu voto à família, à esposa, à avó, aos filhos e aos netos, citando seus nomes, numa espetacularização da política de reles banalidade. Ao contrario, aqueles contra o impedimento argumentavam e mostravam um comportamento decente.

Fez-se um julgamento apenas politico sem embasamento jurídico convicente, o que fere o preceito constitucional. O que ocorreu foi um golpe parlamentar inaceitável.

Os votos contra o impedimento não foram suficientes. Todos saimos diminuidos como nação e envergonhados dos representantes do povo que, na verdade, não o representam nem pretendem mudar as regras do jogo político.

Agora nos resta esperar a racionalidade do Senado que irá analisar a validade ou não dos argumentos jurídicos, base para um julgamento político acerca de um eventual crime de responsabilidade, negado por notáveis juristas do país.

Talvez não tenhamos ainda suficientemente amadurecido como povo para poder realizar uma democracia digna deste nome: a tradução para o campo da politica da soberania popular.

18/04/2016

Leonardo Boff - articulista do JB online e escritor.

Última atualização ( Seg, 18 de Abril de 2016 18:03 )
 

Dilma pode cair?

As paixões políticas estão explodindo. É hora de refletir com serenidade.
É possível afastar da Presidência da República o cidadão ou a cidadã que detém o mais alto cargo da República, através de um procedimento denominado  impeachment (em inglês), ou impedimento (em português)?
Sim, é possível. A Constituição Federal admite o impeachment quando o supremo dignatário do país pratica crime de responsabilidade.
“Art. 85. São crimes de responsabilidade os atos do Presidente da República que atentem contra a Constituição Federal e, especialmente, contra:
I - a existência da União;
II - o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das unidades da Federação;
III - o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais;
IV - a segurança interna do País;
V - a probidade na administração;
VI - a lei orçamentária;
VII - o cumprimento das leis e das decisões judiciais.”
Os crimes enunciados pelo artigo, como está claríssimo, devem ter sido praticados pelo cidadão ou cidadã que exerça a Presidência. Mesmo que todos os Ministros e auxiiliares diretos tenham incorrido em crime, o Presidente ou a Presidente estará a salvo se não tiver praticado, ele próprio ou ela própria, algum dos atos criminosos mencionados acima.
Particularizemos o preceito geral ao caso particular: a Presidente Dilma Roussef pode ser derrubada do seu cargo, dentro dos parâmetros constitucionais?
Os acusadores têm afirmado que a Presidente atentou contra a probidade da administração. Entretanto, segundo se viu até este momento, não está provado que Dilma tenha cometido os deslizes que lhe são atribuídos ou, na linguagem popular: não se provou que Dilma é desonesta. A guerrilheira de ontem não é a gatuna de hoje.
É injusto imputar a ela essa pecha, mesmo entendendo que Dilma não tem demonstrado a competência exigida pelo cargo, nem a habilidade requerida no manejo do complicado xadrez político.
Como Juiz de Direito que fui durante muitos anos, sei muito bem o que é aceitar, como provado, o crime atribuído a alguém.
Haverá eleições presidenciais em 2018. O povo manifestará sua opinião. Exaltará os bons governantes e rechaçará os maus. Para este fim utilizará a mais importante arma da cidadania: o voto secreto.
Um capixaba tem a glória de ter patrocinado, no Brasil, esta garantia. Trata-se de José de Mello Carvalho Muniz Freire que foi, com muito mérito, imortalizado em nosso Estado. Um município nosso (antigo Espírito Santo do Rio Pardo) recebeu seu nome e também um colégio de Cachoeiro de Itapemirim.
João Baptista Herkenhoff é Juiz de Direito aposentado (ES) e escritor.

 

A previdência social em época de crise

Pensionistas e Aposentados: o que nos espera para o ano de 2016 e seguintes?

A Previdência Social, como o próprio nome diz, serve para socorrer o segurado em momentos de dificuldades. Essa é a razão de se fazer uma prevenção. E a função da previdência não é outra, senão a de prevenir. Contudo essa prevenção, representada por um recolhimento de contribuições feitas pelo segurado, precisa ser bem gerida, bem guardada pelo Poder Público.

Considerando que é o próprio Estado que impõe, de forma obrigatória, ao cidadão para que faça a sua contribuição com o objetivo de ajudar na formação de um fundo solidário, que será usado em benefício de todos nos momentos de necessidade, uma boa gestão é indispensável.

Porém, o que se vê, é o Governo, em todos os níveis da Federação, a pretexto de um alegado déficit, que se existe é por conta dos desvios de recursos e da má gestão, transferir esse fundo do lastro previdenciário para o mercado financeiro.

Isso implica em transferir a sua responsabilidade em relação ao segurado para instituições descomprometidas com os princípios da democracia e com o bem-estar do cidadão, pois tais instituições, por natureza, apenas estão interessadas nos lucros que essa fabulosa quantia de dinheiro possa lhes garantir. Só para ilustrar, o volume de dinheiro é tão grande que supera o Produto Interno Bruto de muitos países!

Mas, se não bastasse essa entrega do futuro dos segurados nas mãos do mercado financeiro, temos, ainda, uma escala de medidas governamentais no sentido de reduzir os benefícios a serem pagos aos segurados, com as drásticas alterações que foram propostas pela Lei 13.135/2015, onde, praticamente todos os benefícios foram alterados com o intuito de diminuir as vantagens do segurado.

A exemplo disso vamos destacar as alterações feitas em relação à pensão por morte do cônjuge ou companheiro (a) e também em relação a nova forma de aposentadoria.

A pensão por morte do cônjuge ou companheiro(a) sofreu alterações restritivas de grande monta. Além de se exigir prazo de carência no lapso de duração do casamento ou da união estável, no mínimo de dois (02) anos de convivência, tanto em um quanto na outra, ainda se exige um período mínimo de contribuição de, no mínimo 18 meses, exceto se a morte ocorrer por acidente ou algumas doenças enumeradas na lei.

Se não preencher os requisitos descritos acima, o cônjuge ou companheiro(a) sobrevivente, somente terá direito a um benefício temporário, com duração de quatro (04) meses. Preenchendo os requisitos, o benefício terá duração escalonada, conforme a idade do(a) pensionistas.

Assim: se tiver até 21 anos de idade, receberá a pensão por três (03) anos: de 21 a 23 anos de idade, receberá por seis (06) anos; de 27 a 29 anos de idade, receberá por dez (10) anos; de 30 a 40 anos de idade, receberá por quinze (15) anos; de 41 a 43 anos de idade, receberá por 20 anos e, acima de 44 anos de idade, o benefício será vitalício.

Quanto às alterações na aposentadoria por tempo de contribuição, o segurado ficou com a possibilidade de optar entre aposentar-se mantendo o fator previdenciário, como era antes ou contribuindo por tempo suficiente, que somado a sua idade, complete a fórmula que ficou conhecida como 85, 95.

Assim, o segurado que preencher o requisito para a aposentadoria por tempo de contribuição poderá optar pela não incidência do fator previdenciário, no cálculo de sua aposentadoria, quando o total resultante da soma de sua idade e de seu tempo de contribuição, incluídas as frações, na data de requerimento da aposentadoria, for igual ou superior a 95 pontos, se homem, observando o tempo mínimo de contribuição de 35 anos; ou II - igual ou superior a 85 pontos, se mulher, observando o tempo mínimo de contribuição de 30 anos. Caso cada segurado não atingir os 95 ou 85 pontos poderá se aposentar se alcançar os 35 ou 30 anos de tempo. Nesta hipótese utilizando o fator previdenciário. Devemos ponderar, ainda, que a nova regra determinou também a soma de mais 1 ponto na fração respectiva citada, de forma progressiva, nos anos de 2017 (86/96), 2019(87/97), 2020(88/98), 2021(89/99) e 2022(90/100).

Contudo existem situações e doenças específicas que autorizam a obtenção dos benefícios acima, dispensando-se alguns desses requisitos e, portanto, facilitando a sua efetivação, mas para isso é necessário fazer um estudo de cada caso, para averiguação e comprovação do direito do segurado.

Então, procure seus direitos, não esqueça que frente ao INSS, você não é um pedinte, mas um cidadão buscando a contraprestação de um benefício pelo qual você e a sociedade já pagaram por ele!

Maria Isabel Pereira da Costa

Vice-presidente área previdenciária da Associação Nacional dos juízes Estaduais

Sócia diretora e fundadora do Escritório Pereira da Costa Advogados

 

Sobre o amor: como resgatar relacionamentos desgastados pelo ciúme?

O ciúme é um sentimento que, em maior ou menor intensidade, todos nós já experimentamos um dia.  Se por um lado, para muitos, o ciúme representa uma manifestação de amor, para outros ele também pode ser considerado um sentimento que produz angústia. De uma maneira ampla, podemos também considera-lo como uma manifestação normal das pessoas em relação às outras. Ou seja, assim como é comum sentir inveja, medo, luto, alegria, raiva e saudade. O ciúme faz parte das reações humanas.

Para provocar uma reflexão sobre o tema, gostaria de propor alguns questionamentos. Se esse sentimento é comum das relações humanas, por que os casais  brigam em decorrência do ciúme? Por que se separam por causa dele?

Entender e responder essas perguntas é mais complexo do que se imagina. Nas relações contemporâneas, onde se busca a liberdade, independência, satisfação pessoal e individualidade, a ausência de ciúmes desponta como o novo ideal de amor. No entanto, no nosso conceito antigo de amor, temos elementos como: a promessa de fidelidade, total entrega do outro e submissão dos desejos. No momento em que esses dois mundos colidem, as regras se tornam contraditórias e impossíveis de serem gerenciadas.

Assim, o ciúme nasce quando sentimos que nosso parceiro não está conectado como gostaríamos. Esse sentimento de apreensão, relacionado a possibilidade eminente de sermos abandonados, rejeitados ou ainda traídos, faz com que o relacionamento pareça ameaçado pela entrada de um terceiro, um rival. Esse medo, real ou imaginário, é frequentemente alimentado pela insegurança de que irá aparecer outra pessoa mais atraente e interessante a qualquer momento.

As pessoas ciumentas apresentam-se nos relacionamentos de forma ambivalente, entre um misto de amor e desconfiança do seu parceiro. Elas tornam-se perturbadas e obcecadas na busca por descobrir a infidelidade. Não constatando a traição sofrem, colocando em duvida suas próprias percepções da realidade. É nesse momento que devemos avaliar alguns traços de personalidade comuns nas pessoas ciumentas, como a timidez e a baixa autoestima.

Essas características podem influenciar a maneira que o individuo ciumento enxerga determinados acontecimentos, criando em sua cabeça uma ameaça real de perder seu parceiro. Para ajudar essas pessoas e, consequentemente, resgatar um relacionamento desgastado, é importante trabalharmos a questão da autoestima e a valorização do eu. Pois, a pessoa que não consegue dar valor a si mesmo, desenvolve um sentimento forte de que é possível que ela seja traída e abandonada a qualquer momento. Em outras palavras, o ciumento começa a duvidar de si mesmo e como o ciúme reside na duvida, o paciente passa a alimentar outros sentimentos perigosos para a saúde. Entre eles; o medo constante, a insegurança, a raiva, desespero e, até mesmo, a depressão. Esse quadro de insegurança excessiva provoca um significativo prejuízo para o relacionamento amoroso, levando a inúmeras brigas, discussões e acusações. Elementos que desgastam a relação e que podem levar ao termino do relacionamento.

É claro que não podemos esquecer que, muitas vezes, o ciúme pode estar captando sinais de que a relação não está indo bem, ou seja, que está prestes a fracassar. Em alguns casos, quando não encontramos os traços de personalidade ligados a baixa autoestima e insegurança, o ciúme pode representar um sistema de defesa onde o parceiro realmente está descompromissado com a relação. Nesses casos, sempre avalio o ciúme nas relações como um sinal de alerta, ou seja, uma possibilidade de reflexão para recuperação do relacionamento, que pode estar esgotado.

Tatiana Leite é terapeuta de casal e família com especialização em Sexualidade Humana

 
Página 14 de 15

Publicidade

Publicidade

Blogs

Enquete

Você é favor da convocação de Eleições Gerais no Brasil
 

Twitter CN

    Newsletter

    Expediente

    EXPEDIENTE
    Rua Santos Ferreira, 50
    Canoas - RS
    CEP 92020-000
    Fone: (51) 3032-3190
    e-mail: redacao@jornal
    correiodenoticias.com.br

    Banner
    Banner

    TurcoDesign - Agencia de Publicidade Digital